Anualmente, a World Allergy Organization realiza uma semana de
atividades para marcar a Semana Mundial da Alergia e a Associação
Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) participa do evento em suas
regionais em 22 Estados brasileiros.

No Brasil, cerca de 30% da população sofre com algum tipo de alergia,
sendo mais comuns as alergias respiratórias, como a Asma e a Rinite, em
especial nos meses de outono e inverno.

A asma, conhecida popularmente como “bronquite alérgica” ou “bronquite
asmática” se acompanha de crises com falta de ar, chiados no peito,
tosse, cansaço que podem se agravar necessitando cuidados especais A
rinite alérgica se manifesta por episódios com espirros em salva, coriza
clara e intensa, coceira no nariz, olhos, garganta, além de congestão
nasal, podendo se confundir com gripes e resfriados.

Essas doenças podem ser tratadas por médicos especialistas em Alergia e
Imunologia. Em 2021, de 13 a 19 de junho, será realizada a Semana Mundial de Alergia e este ano o tema é a Anafilaxia, uma alergia grave que pode ameaçar a vida e causar morte. As causas mais comuns de anafilaxia são os alimentos, medicamentos e picadas de insetos, como abelhas, vespas e marimbondos. A Dra Cláudia Tebyriçá, que integra a Comissão de Mídias da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia(ASBAI) descreve: “Os sintomas da anafilaxia podem ser variados e acometer vários aparelhos e sistemas simultaneamente; como: pele, o aparelho respiratório, o trato digestório, aparelho cardiovascular, podendo evoluir para um choque anafilático”. E complementa: “O reconhecimento da anafilaxia e o tratamento precoce
com adrenalina pode salvar vidas, até que a pessoa possa ser atendida em
um setor de emergência”.

Fonte: Associação Brasileira de Alergia e Imunologia