Notícias

Quando deve ser a primeira vez no ginecologista?

Quando deve ser a primeira vez no ginecologista?

primeira vez no ginecologista

A primeira vez no ginecologista: tabus e perguntas.

Quando levar minha filha ao ginecologista?

A primeira visita ao ginecologista deve ser logo após a primeira menstruação, pois a partir deste momento a menina se torna fértil, ou seja, torna-se capaz de engravidar e ter um bebê. Por isso a menina deve aprender sobre o funcionamento de seu corpo, como é a ovulação, como são as cólicas menstruais, como se prevenir de uma gravidez indesejada e como se cuidar para não contrair doenças sexualmente transmissíveis, como o HPV ou o HIV.

A ideia de que uma menina vá começar, em algum momento de sua história, a ter vida sexual ativa é algo que assusta muitos pais. Por isso, adiam a primeira visita ao ginecologista. Porém, esse é um erro que pode custar caro. Mesmo sem uma vida sexual ativa — e até longe de começá-la —, a menina deve ter um acompanhamento especializado com um médico ginecologista. É normal a adolescente sentir vergonha e pedir para ir ao especialista apenas quando está prestes a ter relações sexuais, mas o ideal é que a visita aconteça após a primeira menstruação.

O que esperar da primeira consulta ao ginecologista?

Tenha em mente esses pontos importantes na hora de levar sua filha ao ginecologista pela primeira vez:

  • É muito importante que seja um médico de confiança. Sua filha precisa se sentir segura e confortável com o ginecologista.
  • A primeira consulta muitas vezes é apenas uma conversa para saber um pouco mais sobre a paciente: hábitos da rotina, problemas de saúde da infância, ciclo menstrual, se há histórico de doenças como câncer de mama na família, entre outras.
  • O exame preventivo ginecológico no primeiro encontro com o ginecologista é bem simples e vai depender do histórico de cada menina.

Por que levar minha filha ao ginecologista?

As adolescentes devem realizar consultas de rotina com o ginecologista uma vez ao ano, assim como todas as mulheres. Meninas que ainda não tiveram sua primeira relação não precisam fazer o papanicolau, exame que analisa células do colo do útero da paciente. Porém, devem visitar um ginecologista mesmo que seja para fazer uma consulta simples. O profissional tem o papel de orientar a adolescente e esclarecer todas essas questões para que o desenvolvimento seja saudável do ponto de vista físico e psicológico. Também é importante que a jovem comece a conhecer melhor seu ciclo menstrual e seu corpo — e o ginecologista vai ajudá-la nesse processo.

A faixa etária entre os 9 e os 13 anos também é a mais indicada para que a menina tome a vacina contra o vírus HPV. Sexualmente transmissível, o HPV é a maior causa do câncer de colo do útero, quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

Quando surge na adolescência, a endometriose é de difícil diagnóstico, pois muitos dos sintomas como as cólicas frequentes, podem ser confundidos com problemas intestinais ou serem considerados normais da fase de vida da adolescente. Muitas meninas que tem endometriose ainda não entraram na idade reprodutiva e não iniciaram sua vida sexual, portanto, não apresentam sintomas da doença que se manifestam nessa fase como dor durante as relações sexuais e dificuldade para engravidar, o que pode dificultar ainda mais o diagnóstico. Estudos comprovam que é importante realizar uma investigação adequada, já que entre o início dos sintomas e a confirmação da doença em adolescentes pode decorrer até 12 anos, tempo suficiente para comprometer a fertilidade da paciente.

 

**** Se a sua filha está na puberdade ou menstruou recentemente, marque uma consulta com o ginecologista, especialista indicado para orientar as adolescentes nessa fase de mudanças no copo e muitas dúvidas sobre a saúde da mulher.


Em homenagem ao mês das mulheres, a Policlínica Granato alerta as mulheres sobre a importância de cuidar da saúde. Veja os outros posts da Granato sobre esse assunto.